Débora BlandaDestaques

Tempo

Tempo

Tempo

Por Débora Blanda

Questão de tempo

Muito antes de aprender sobre a teoria da relatividade a gente descobre que tempo está longe de ser algo absoluto. Descobrimos que as noites de sexta e o sábado passam rápido, mas que as segundas parecem ser eternas.

Que perto de quem você ama o tempo voa, mas que quando você está esperando na fila, o tempo não passa. Não precisa estar na velocidade da luz para fazer segundos passarem mais devagar.

Esses pensamentos tem pairado minha mente…

Afinal, as pessoas falam que tempo é o melhor remédio, e eu concordo em partes com elas. Acredito que para algumas dores é o único remédio. Ainda não sei que tipo de remédio ele é, se ele cura ou só ameniza os sintomas; desconfio que seja o segundo caso.

E como virar para alguém e pedir ? Como dizer que isso tudo vai passar? Mesmo que seja uma verdade, falar isso não diminui em nada a dor presente.

Como pedir para alguém esperar, se ele é a moeda tão valiosa? Como pedir para “dar um tempo”, sem saber quanto desse tempo tem que ser dado, ou quando se sabe que independente se for
dado, ainda não será suficiente.

A vida é o que a gente faz com o tempo que ganha, por isso acho hoje tão injusto pedir isso a alguém.

E porque a gente perde tanto tempo? Eu sei que perco… E tudo bem quando passa; distrações ou não algumas atividades são importantes, elas nos ajudam a desacelerar, a lembrar de respirar e até de ser feliz. Passar  o time jogando conversa fora, com os amigos, com quem é importante, tudo isso faz parte.

Mas viver sempre correndo, sem hora para nada, procrastinando, se esgotando com coisa secundária, isso não vale a pena. E quanto a gente tem que perder até aprender a aproveitar o que tem?

A folhinha passa igual para todo mundo, mas cada um vive ele de um jeito. Tem quem cresce, quem amadurece e quem envelhece. Tem quem demora a ser afetado pelo tempo (o que as vezes é bom e as vezes não).

O leva para alguém a te julgar? E se apaixonar? Quanto dura o último instante de vida, a
consciência de uma morte eminente? Esperto que demore muito até que você descubra essa.

Qual o valor de vale tem uma vida? Em quanto um terremoto ou um furacão destroem um país?  Para recompor uma nação? Até ter a confiança de alguém, ou para perder essa confiança?

São muitas as questões envolvendo, “quanto tempo eu tenho? Como aproveitar ? Quanto cabe na eternidade? Essa questões estão sempre em algum lugar na mente.

Talvez seja uma questão de tempo até eu aprender a lidar com o tempo, comigo e com os outros, aprender a fugir do que rouba meu tempo e a dar meu tempo para o que é importante, para o que é prioritário, até eu escolher certo entre o efêmero e o eterno.

Leia mais:

Gosto de você

Amores

Destrinchando

Destrinchando

Anterior

Paixão

Los Angeles - Califórnia
Próximo

Los Angeles - Califórnia