Débora BlandaDestaques

Só uma ilha

Só uma ilha.

Só uma ilha.

Por Débora Blanda

“O mundo é grande, mas é só uma ilha”, Chorão falava. “Tudo é simples e calmo visto de cima”. Se você é parte dos 55% de brasileiros que já viajou de avião você provavelmente compartilha desse sentimento. Somos atraídos por lugares altos, seja um mirante ou a cobertura do prédio; seja voando ou do topo de uma serra ou montanha. Lugares altos trazerem sensação de segurança, aumentam nosso campo visão e, na maioria das vezes, revelam uma vista que faz a subida valer a pena.

Olhando pela janelinha do avião temos uma percepção diferente sobre o que está no chão, as pessoas vão diminuindo, as casas vão, rios tão compridos e montanhas tão monumentais parecem caber na palma da
mão. Você percebe quanto verde ou quanto cinza te cercava. Traz uma certa calma ver as coisas em outra escala, de um novo ponto de vista.

E não é só do voando, a função satélite do Google Maps (ou Google Earth) dá oportunidade de vermos de cima nossa cidade ou lugares do outro lado do planeta. Temos acesso a imagens da Terra feitas no espaço. Temos acesso a mapas e a vistas aéreas. Sabemos como as luzes dos grandes centros urbanos iluminam as noites na Terra; sabemos também que a Terra não tem tantos centros urbanos assim. Daily Overview é um site que mostra diariamente fotos aéreas, lugares vistos de cima.

O site começou a partir da teoria de que ver o mundo de cima muda as pessoas. The Overview Effect: http://www.dailyoverview.com/overvieweffect/ como é chamado o fenômeno, começou a ser observado depois que homem viajou para lua; as gerações que vieram depois dessa viagem sabem que a Terra é azul, que ela é uma bola flutuando no espaço.

Um discurso comum entre pessoas que já estiveram no espaço, e olharam para trás para contemplar a Terra, é o sentimento de que a Terra é um organismo só, um grande ecossistema; que a humanidade é parte dele, e também uma necessidade de cuidar desse planeta, tão incrível quanto frágil. E imagina, como seria o mundo se todos compartilhassem desse sentimento? De que somos uma humanidade vivendo nesse planeta, que nós devemos cuidar dele e uns dos outros?

“The DNA Journey” https://www.youtube.com/watch?v=tyaEQEmt5ls é um vídeo no YouTube no qual pessoas aleatórias, de diferentes países (algumas bastante ufanistas e convictas sobre a própria nacionalidade e etnia) responderam qual era a própria etnia e se havia alguma nacionalidade que despertava qualquer tipo de bloqueio ou desgosto. Essas pessoas foram convidadas a fazer um teste de DNA que revelaria toda sua herança genética. Os resultados causaram várias surpresas. O inglês que não gostava da Alemanha, por exemplo, descobriu ser 5% alemão.

O objetivo do teste, e do vídeo, é nos lembrar que antes de sermos parte de uma cidade ou nação somos todos parte da mesma humanidade. Em algum momento na história da Terra toda a humanidade veio de uma primeira família, de uma primeira região.

Tantos conflitos, guerras e rivalidades, é tão injustificável, banal e desnecessário. Fico imaginando viver em um mundo onde cada um se reconhece como parte da humanidade, como morador na Terra; um mundo onde tratamos os outros como membros da nossa própria família e nosso planeta como nossa própria casa.

Destrinchando

Destrinchando

Anterior

Nossos Sonhos

Próximo

Minha Yellow Boot