DestaquesDestrinchando

Segunda-feira sem falta

Segunda-feira sem falta

Destrinchando

Por Amanda Ferr

Estou aguda e ácida. O que isso quer dizer? Que algo em mim modificou-se e me fez perder sem perceber a poesia que costumava permear meus dias. Às vezes, ainda que doa, é preciso abrir mão de certa docilidade para dar conta do batente.

Principalmente quando esse batente inclui surtos de carência, expectativas frustradas, dias nublados, decepções mal digeridas, horas sentada em frente ao computador, estragos na conta bancária e uma verdadeira chacina emocional, em que dia após dia é preciso mais que matar um leão por dia, mas matar um pouco de si mesmo por dia para sobreviver.

Você precisa tolerar, há uma família que é sua por dever e direito e caminha a passos bêbados e tropeços. Há uma coleção de mortes ainda não assimiladas, saudades que pedem ser administras com urgência, inúmeras aulas perdidas, uma pilha de contas pra serem pagas, tragédias em nome do dinheiro ou da falta dele, sono que precisa ser reposto, doenças e chagas abertas, amigos separando-se, sonhos em stand by. Lembranças do passado que pedem ser reeditadas, chances perdidas, e tudo que queria era um remake da minha própria vida!!!!

Hoje acordei pensando numa frase que um amigo me disse certa vez, numa das nossas conversas verborrágicas. A hipocrisia é a ética da sociedade. Ora… se é só isso, então vamos sorrir para aqueles que não nos suportam e nos cercar de cumprimentos e apertos de mão.

Vamos ser falsos com os falsos que nos rodeiam, ser cordatos para manter o emprego e gentis com os traficantes milionários. Vamos assinar a sentença de morte de nossos sentimentos e sermos excelentes profissionais do sexo. Afinal, o que há de mal em alugar seu corpo por algumas horas a troco de R$1.000(isso se você for alta, loura, lipoaspirada e siliconada), mas caso não seja, não importa, porque pelo menos R$15,00 você descola num ponto da Guaicurus pra garantir o seu pão dormido com café pingado, dois ou três cigarros, um PF e um copo de veneno.

Abrace o filho da puta que te trai, afinal ele paga suas contas e te alimenta. Vamos dar às honras aos bandidos, aos assassinos e estupradores e achar graça do fato de sermos roubados diariamente por nossos
governantes .É banal ser assaltado, corriqueiro morrer de bala perdida e comum jogar corpos em lixões e bebês em lagoas.

Mas você não vai se abalar por isso… Imagine! Isso acontece todos os dias, a cada minuto e em todos os lugares. Se abale por não ter comprado a nova bolsa da Louis Vitton, por não ter passado as últimas férias em Miami, por não ter a nova coleção de biquínis da Cia Marítima.

Não sofra pelas pessoas desabrigadas, esfomeadas, mortas em vida. Isso não é problema seu. É problema da policia, do estado, o que há de se fazer? Você tem plano de saúde? Ótimo! Então não se incomode, afinal a Saúde Pública do país não matou nenhum membro da sua família na fila de espera do SUS.

Tenha seu crediário e seus problemas estarão resolvidos. Em quantas vezes podemos parcelar a felicidade?
Em qual prateleira se encontra paz? Ahhh , está em falta? Tudo bem, para isso há fluoxetina.

Aceita uma amostra grátis de dignidade ? Alegria a R$1.99 !!!!! É pegar ou largar. Afinal, já é quase sexta e precisamos ser coniventes. Nos tornarmos humanos?

Segunda-feira sem falta!

Leia mais:

Alimentação infantil nas férias

 

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

5 apps para a arte

Próximo

Agentes Transformadores