DestaquesDestrinchando

Se me cativa

Se me cativa

Se me cativa

Por Amanda Ferr

Poucas pessoas me encantam.

Por pouquíssimas tenho respeito e admiração e posso contar nos dedos de

uma mão as pessoas de que gosto. Mas veja bem, eu disse gosto e se gosto,

atenção, porque gosto na totalidade, em tempo integral. Gosto dando a cara à

tapa, vestindo a camisa, tomando as dores e comprando briga se necessário

for. Gosto sem meios termos e meias palavras. Incondicionalmente.

Dos demais eu não me ocupo. Não desejo mal nem bem. E os que me

prejudicaram já foram entregues nas mãos de deus para que deles a vida se

encarregue. E ela sempre se encarrega.

Não mantenho “amizades” por conveniência, não sou cordata para angariar

vantagens nem gentil para ser bem quista e sequer sei ser educada com

aqueles por quem não tenho simpatia.

Sou atriz, no palco, na vida não sei fingir.

Eu não dou nem escuto conselhos, ouço meu coração e é ele quem me indica

o caminho.

Não falo sim querendo dizer não, não sou figurinha fácil pra coleção de

nenhum Zé Mané e se não quer saber não me pergunte por que eu digo a

verdade.

Sou clara, direta, transparente e ando cada vez mais seletiva com quem deixo

entrar na minha vida.

Não, meu mundo não é um parque de diversões e está fechado pra visitação.

Se quer entrar me conquiste e se quer ficar faça por merecer.

Dinheiro, status e poder não me seduzem. Presentes caros, jantares e viagens

não me impressionam. Eu não quero flores, cartas, declarações de amor, eu

quero o seu ombro quando eu precisar chorar, o seu silêncio cúmplice quando

eu quiser simplesmente desabafar sobre o que me irrita, me exaspera e me

dói.

Seduza-me com seu caráter. Não tente se aproveitar da minha bondade. Seja

digno da minha confiança e eu te darei a minha cumplicidade. Me olhe nos

olhos, divida comigo suas dores e alegrias, confie em mim porque daqueles

que conhecem o significado da palavra lealdade sou amiga até debaixo d´agua.

Sou amante dos que me amam sem rótulos e parceira dos que jogam o jogo do

bem.

Mas se por ventura achar que o que eu quero é demais, que não poderá

corresponder ou até mesmo se suas intenções forem outras, vá embora, está

em tempo, vá agora e sem olhar pra trás que te esquecer será quase indolor,

mas não tome o meu tempo, não usufrua da minha alegria, não gaste a minha

alma em vão porque como disse Antoine de Saint-Exupéry: “És eternamente

responsável por aquilo que cativas”.

Destrinchando

Destrinchando

Anterior

Gonzo Jornalismo

Próximo

Fronteiras do Brasil