DestaquesEntrevistasLucas Machado

Chorão

Chorão

Por Lucas Machado

 Chorão

Conversamos com o Chorão, amigo ”Classe A”, como ele mesmo diz. Nos contou um pouco sobre o livro,  sobre a sua carreira, o novo CD, os shows que vem por aí e, como não poderia deixar de ser, falamos muito de sk8!

 

Lucas Machado  Se, antes do sucesso, um homem que prevê o futuro aparecesse na sua frente, pra contar que o Charlie Brown Jr. seria uma das maiores bandas brasileiras, o que você pensaria?

Chorão Que ele estava certo, rs. Sempre acreditei na banda porque trabalhei muito pra chegar onde estou.

 

Já passou pela sua cabeça escrever um livro de memórias ou uma biografia, sendo que tem letras e composições muito reais inclusive não sei com você ainda não foi totalmente reconhecido por isso?

Quem sabe… Logo mais, até o meio do ano, sai um livro de fotos das duas últimas turnês dessa nova formação: Imunidade musical e Ritmo, ritual e responsa. O livro vai contar, através das imagens, como foi o entrosamento, os momentos de backstage, o público etc. Vai ter muita coisa bacana. A galera vai gostar.

 

Como é morar em Santos e ter uma skate park foda?

Santos é a cidade que escolhi pra viver, onde conheci minha mulher e onde nasceu o Charlie Brown. É uma cidade especial, sem dúvida. E com o Skate Park é melhor ainda.

 

Isso foi a idealização de um sonho ou um empreendimento, assim como a plata e Dolce?  

Foi mais uma realização de um sonho, porque através do skate park posso colocar em prática alguns projetos sociais e a molecada pode andar numa boa.

 

Existe algum projeto social lá?

Existe um muito especial pra mim. É com um cara muito gente boa, chamado Testinha. Ele pega a molecada da Febem e leva pra ter aula em pistas diversas. Tem rolado isso lá.

 

Você já correu algum campeonato de skate?

Já. Ganhei alguns há uns anos, como amador.

 

Se lembra de alguma session que você mais gostou, ou alguma pessoa em especial com quem andou?

Tem várias: com o Tarobinha, com o Mineirinho Sandro Dias, com o Bob Burquist e com as lendas do skate: Danny Way e Mark Valelly.

 

Como é ser um empresário? O que você faz além da banda?

Além da banda tenho muitos projetos. O cinema e duas marcas de roupa: a Plata e a Doce. Ambas são de skatewear e, através delas, eu patrocino alguns atletas e tenho organizado campeonatos.

 

Por que você mora em Santos, sendo que pode morar em qualquer cidade do mundo?

Amo Santos. Lá tem o clima total e qualidade de vida. O Brasil é lindo, mas não saio de Santos. Estamos pertinho da capital paulista também. Não preciso sair de lá. No início deste ano a cidade foi muito prejudicada pela chuva e não hesitei em pedir ajuda: Rock´n Roll e boa ação. Faço o que eu puder por Santos….

 

Em suas composições você fala muito da realidade vivida pelos jovens hoje: Favela, skate, drogas, mulheres, tretas. Qual dos temas te inspira mais?

A realidade do jovem brasileiro é sempre a minha maior inspiração. Mas falo da vida cotidiana de todos nós. O que importa não é exatamente a circunstância, mas sim a reação de cada um ao que acontece e transforma a sua realidade. Assim nascem as músicas, as mudanças e os textos que falam sobre isso. A vida em geral. O que vejo com pessoas que conheço e coisas que acontecem ou já ocorreram comigo, me inspiram.

 

Em um único CD você usa pegadas agressivas e músicas mais tranquilas que sempe estouram no Brasil,inclusive essa do acústico com a Negra Li?

Coloco o que acho que vai ficar com cara do Charlie Brown.

 

Se pudesse voltar ao passado mudaria algo na sua vida profissional ou pessoal?

Acho que tudo que vivi me ensinou muita coisa pra ser o que sou hoje. Todo dia aprendo mais. Podería voltar essa pergunta para vc muleque.  Rsrsrs

 

Como é ter esse cargo: presidente da associação dos skatistas vagabundos bem-sucedidos do Brasil? E ainda ter a convicção de que ninguém no Brasil fez mais pelo skate do que o Chorão?

É ter muito trabalho, dedicação e amar principalmemnte o que você faz.

 

 

Chorão e Fenacer

 

Como é tocar em Minas Gerais?

Sou sempre convidado para tocar em grandes eventos no Brasil. É bem legal, gosto muito de tocar . É uma ótima oportunidade pra ver meus amigos do pop rock também. Até quebrei um skate na última vez.. Este ano já passamos por Festival de Verão de Salvador, Planeta Atlântida no Sul… Agora é a Fenacer…Está chegando…E toco no mesmo dia que Zeca Pagodinho…Evento supereclético.

 

O que você sente quando sobe a um palco pra tocar pra um milhares de pessoas, o Charlie Brown Jr. tem o maior numero de fã-clubes, segundo pesquisas até mais do que essas bandinhas novas do Brasil, uma das provas é que vocês tiveram milhões de acessos já no primeiro dia do lançamento do novo site?

De certa forma, já estou acostumado em tocar nos maiores eventos do Brasil, a adrenalina é mil… Charlie Brown na parada e o público vibrando, fazendo um espetáculo incrível… Vocês não fazem idéia da visão que tenho de cima do palco… É uma sensação que compensa toda a correria, todo e qualquer estresse que possa ocorrer. É fora do comum. Só estando ali pra saber. Sobre o site meu isso é  Charlie Brown, temso que passar a real para os outros e não ficar mascarando as coisas somos de verdade. E que é de verdade sabe muito bem quem é de mentira. Você é um deles, Irmão. E o site ta a mil por hora.

 

O que a gente pode esperar dos pr´xomos shows do Charlie Brown Jr?

Rock´n Roll… Grandes e velhos sucessos, um show de duas horas de duração, muita camisa preta rodando… Os shows desta turnê, Ritmo, ritual e responsa têm uma energia incrível… Todos cantam do começo ao fim…

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

Entrevista o piloto Bruno Junqueira

Próximo

Sabores de Minas