Sem categoria

Produtos saudáveis avançam nas gôndolas dos supermercados

Produtos saudáveis avançam nas gôndolas dos supermercados

Destrinchando

Gôndolas saudáveis. Produtos que fazem bem a saúde são os campeões de venda

Quantas vezes você se sentiu motivado a um consumo consciente? Quantas vezes você (até) tentou buscar nessa motivação uma vida saudável, mas acabou tropeçando na autosabotagem mediada pelo seu próprio consciente? O mercado e os pesquisadores entendem você. Até por isso, direcionar estratégias para esse segmento se tornou o posicionamento de muitas empresas. A prova desse cenário chega nos processos materializados em gôndolas disponíveis nos supermercados, que atraem os olhares pela disponibilidade (diversidade e acessibilidade) de produtos saudáveis – e saborosos, é claro.

Todo esse caminho de mercado, apresenta um segmento pretende abraçar um perfil de consumidor que deseja efetivamente uma vida mais saudável. Para se ter ideia, o Brasil é o quarto país do mundo em consumo de produtos desse segmento. Um nicho crescente que não sentiu na pele os efeitos da crise econômica dos últimos anos e que segue em crescente evolução. Os números comprovam o fato e mostram um comparativo: as vendas de alimentos e bebidas cresceram 67% nos últimos cinco anos no país. Enquanto isso, as de saudáveis chegaram a 98%, com cifras aproximadas em 35 bilhões de dólares. UAU!

É nesse segmento que a kombucha ganhou os holofotes. A bebida é originária do chá preto, que é fermentado por leveduras e bactérias que fazem bem à saúde e fortalece o organismo. Mesmo o chá preto surgindo como um dos principais ingredientes de produção da nova queridinha do mercado, a receita pode ser elaborada a partir de outras ervas e ingredientes diversificados, como o chá verde, de hibisco, mate, suco de frutas e gengibre. A ideia é provocar experiência imediata com combinações de sabores e aromas.

Descoberta na China, há mais de dois mil anos, a bebida não leva conservantes ou aditivos. Entre os brasileiros, a bebida tem ganhado a preferência e acompanhando a ordem de um segmento de grande potencial. A proposta gaseificada agradou em cheio e acabou se tornando uma alternativa ao consumo dos maléficos refrigerantes.

A Associação Brasileira de Kombucha (ABKom) estimou, em 2018, aproximadamente R$20 milhões em vendas da bebida e uma produção de 25 mil litros por mês. Números que não chegam como surpresa. Até porque, de acordo com levantamento realizado pela respeitada consultoria americana Micro Market Monitor o crescimento desse mercado é mais ou menos 25% ao ano e deve triplicar de tamanho até 2020.

Ficou curioso? Que tal mudar hábitos e apresentar ao seu paladar uma opção diferente do refrigerante? O seu organismo vai te agradecer (MUITO).

 

 

Leia mais:

Kombucha invade o mercado, incomoda o refrigerante e nem o frio para as vendas do produto probiótico natural refrescante

 

 

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

Palácio da Liberdade abre para visitação ao público

Próximo

Max Savassi Apart Service participa pelo segundo ano da Expócasorio