DestaquesPaulo Solmucci

Problema na antena

Problema na antena

Por Paulo Solmucci

Problema na antena: chame ali o seu Antenor

É preciso que se dê vida aos bairros. Sejam os bairros centrais ou os das periferias mais distantes. Isso requer que as ruas dessas áreas da cidade tenham moradia, trabalho, escola, comércio, praças e lazer. É assim que as pessoas vão se deslocar menos, resolvendo as questões básicas do dia a dia nas vizinhanças de casa. O que acontece na maioria das cidades brasileiras, hoje, é que a pessoa mora em um lugar e trabalha ou estuda em um ponto geográfico bem distante. Perdem-se horas a fio dentro de um ônibus.

Problema na antena

Os bairros têm de passar por um processo de reurbanização. Mas é preciso muito cuidado, para que as melhorias não signifiquem a expulsão das populações mais pobres. Há o risco de um “enobrecimento” que exclui os de menor poder aquisitivo. Isso acontece frequentemente pelo mundo afora. A melhoria urbana enobrecedora provoca a súbita e acentuada valorização imobiliária, afastando os moradores e o pequeno comércio tradicional. Desaparece de cena uma parcela da antiga vizinhança.

A palavra que muitos arquitetos brasileiros usam, para definir essa expulsão das populações e atividades comerciais das áreas urbanisticamente renovadas, é “gentrificação”. Para variar, é uma palavra que vem do inglês “gentrification”. Pode ser perfeitamente traduzida como enobrecimento.

Portanto, o enobrecimento (ou a gentrificação) se dá quando, de repente, vem o bota abaixo da “limpeza social”, tirando-se de cena a mercearizinha e a portinha do Antenor, que conserta televisão. E a velha rua – com cadeiras na calçada, na fachada escrita em cima que é um lar – desaparece de cena para dar lugar a uma via com a cara chique de Miami, repleta de lojas e empórios só de importados.

O que a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) defende, em sua campanha “A partir das ruas, simplifica Brasil”, é que os bairros melhorem, por meio da aproximação entre residência, trabalho, comércio e lazer. Mas que nessa melhoria estejam presentes os programas de habitação social e os incentivos à manutenção dos moradores e pequenos comerciantes locais. Enobrecimento, não! Gentrificação? De jeito nenhum.

Que o seu Antenor continue perto da gente, consertando a parabólica.

Paulo Solmucci

Paulo Solmucci

Paulo Solmucci - Presidente da ABRASEL (Associação brasileira de bares e restaurantes).

Anterior

Viajar sozinho

Próximo

Os filmes e a moda