Débora BlandaDestaques

O que te faz feliz

O que te faz feliz

89a967874329e4a66f19c502800102e7

Por Débora Blanda

Felicidade é coisa engraçada, difícil de prever o comportamento dela. Eu hoje me peguei brincando com balão, desses de gás hélio, como se fosse joão-bobo eu iria, me senti boba, mas principalmente eu me senti feliz.

A felicidade começou antes dos balões, começou quando decidir passar na praia antes de voltar para casa. O tempo não está bom para pegar praia, mas eu quis ir ver a vista. A felicidade já começou a aparecer só com o plano.

Ir até praia de skate fez a felicidade chegar mesmo e rápido. E ver o mar (a baía na verdade) fez ela crescer. Chegando em casa os balões na sala mais pareciam um convite e eu fui “boba” para dar espaço para a felicidade.

Fui feliz sozinha. Não é que eu não seja feliz, é que tem momentos que são especiais, mais felizes. Eu continuei feliz preparando meu jantar. O cardápio era simples, bife e massa sem molho, porque eu prefiro sem mesmo. Fui feliz cortando cebola e passando o bife.

Fui feliz porque comer carne é bom, fiquei feliz com a previsão de que iria ficar gostoso, fiquei feliz com o
processo.

E agora talvez esteja mais claro porque eu considero felicidade coisa engraça, é porque ela cresce com coisas tão simples, coisas passaram despercebidas tantas vezes um dia te faz feliz.

Olhando para bancada da minha cozinha eu lembrei de um outro momento de felicidade, há uns anos eu estava sozinha em casa e decidi terminar o pote de sorverte, de flocos claro.

Não só comi a última porção, direto do pote e sentada na bancada da cozinha. E com toda sabedoria dos meus (talvez) 13 anos de idade eu tomei aquele sorvete pensando em como eu estava feliz, e em como eu deveria viver mais momentos como aquele durante a minha vida.

Como eu deveria me permitir sentar na bancada, comer direto do pote, tomar muito sorvete e reconhecer os momentos de felicidade quando eles viessem. Esse dia eu não esqueci, eu guardei esse momento e não é porque ele tem cheiro de sorvete, e não necessariamente porque foi ele foi feliz, mas porque eu fui feliz e eu sabia.

Cultivei em mim um medo de não saber a felicidade que vivo, sabe o tal “era feliz e não sabia”? Eu não quero ter que dizer isso, quero aproveitar a felicidade que tenho agora, seja ela simples como brincar com um balão ou grandiosa como ter pessoas especiais na minha vida ou como ter saúde para viver meus dias; e quero ter a cada dia mais felicidades para apreciar.

Destrinchando

Destrinchando

Anterior

O que queremos

Próximo

Red Wing em Los Angeles