DestaquesDestrinchando

O que aprendi com o amor

O que aprendi com o amor

O que aprendi com o amor

 

Destrinchando – Por Paula Valente

O que aprendi quando conheci o amor

Aprendi que o silêncio é necessário para que as conexões aconteçam
Que os olhos são, verdadeiramente, as janelas da alma
Que ainda não inventaram nada mais estimulante do que se deliciar com aquele beijo desejado
Que o abraço cura e reúne todos os nossos pedaços estilhaçados
Que a sensibilidade quebra orgulhos e pulveriza preconceitos
Que a verdade afasta certas noites mal dormidas
Que o choque entre peles exala cumplicidade por todos os poros
Que certas palavras são tão vazias e erradas que já nasceram mortas
Que sempre atrás de uma montanha, há outra
Que o medo, na dosagem correta, é um ótimo estimulante
Que o choro pode ser o início de uma história, e não o seu término
Que o toque certo da pessoa certa dissipa toda e qualquer dúvida
Que os melhores momentos são aqueles que não foram planejados
Que o melhor dos sonhos é vivê-los
Que certos momentos eternos duram alguns poucos minutos
Que este caminho só se cria quando dois caminham, lado a lado
Que o próprio amor nasce dentro de cada um, mas, que as ervas daninhas são tratadas pelos dois
Que o nosso passado, principalmente suas dores, pode prejudicar o nosso futuro se habitar no nosso presente
Que não é saudável alimentarmos as expectativas que criamos em relação ao outro
Que os verdadeiros propósitos se encontram depois da tempestade
Que se enxergar nos detalhes do outro e vice-versa é algo único e não ameaçador
Que ser vale a pena
Que a paz e a mansidão colocam o ponto final em todas as questões
Que estender a mão para o outro é algo leve, necessário e libertador
Que construir pontes não é um trabalho solitário
Que a confiança nasce do primeiro olhar, e, se fortalece (ou se rompe) com o passar do tempo
Que nada substitui os olhos nos olhos
Que não devemos ter medo de tentas quantas vezes necessárias forem
Que a ousadia nos faz dar um passo para trás para só assim enxergarmos além do nevoeiro
E, por fim, aprendi que
O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta…
Leia mais:
http://www.destrinchando.com.br/jovem-e-liberdade/
Destrinchando

Destrinchando

Anterior

Superando limites

Próximo

Código de vestimenta masculino