DestaquesDestrinchando

Melasma: saiba como evitar

Melasma: saiba como evitar

 

Destrinchando

A atual estação do ano pode agravar o melasma devido à alta exposição solar

 

Associado à gestação na maioria das situações, o melasma – caracterizado pelo surgimento de manchas escuras ou acastanhadas na pele – tem como principal fator a exposição solar. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), os anticoncepcionais femininos, a gravidez, a genética e os raios solares fazem parte do grupo de condições que favorecem o seu aparecimento.

 

A dermatologista e membro da SBD, Teresa Noviello, alerta que uma pequena exposição aos raios ultravioletas já é motivo para que o melasma apareça ou volte a surgir em pacientes que se trataram anteriormente, sendo assim, os cuidados com a proteção da pele no verão devem ser redobrados. “O melasma não tem cura, mas possui tratamentos capazes de torna-lo praticamente imperceptível. A forma mais eficaz de prevenir a sua volta é o deixando mais estável possível”, orienta. Ela, que também é diretora da Clínica Teresa Noviello, ainda esclarece que apesar de afetar com maior frequência o sexo feminino, as manchas também podem aparecer em homens.

 

“Na maioria dos casos, o rosto é o local que mais apresenta a ocorrência de melasma, no entanto, as manchas também podem afetar partes extrafaciais como os braços, pescoço e colo”, afirma Teresa. Ela explica que apesar de não ser uma doença ou problema grave de saúde, o melasma atinge a aparência do paciente e, consequentemente, a sua autoestima. “As mulheres são as que mais se sentem incomodadas com a hiperpigmentação da pele”, conta.

 

O melasma é uma disfunção da pigmentação da pele, que decorre do acúmulo exagerado de melanina em uma determinada área. Embora não tenha uma cura, já existem no mercado diversos tratamentos que amenizam ou tornam as manchas praticamente invisíveis.

 

O profissional indicado para realizar a avaliação, diagnosticar o melasma e tratar a condição, é o dermatologista. Somente ele poderá traçar qual o tratamento mais indicado para cada caso. “Existem três tipos de melasma. O epidérmico, quando há depósito de pigmento na camada mais superficial da pele; o dérmico, que atinge a derme, quando o excesso de pigmento se deposita ao redor dos vasos superficiais e profundos; e o misto, que é quando ultrapigmentação atinge a epiderme e a derme. Então, para cada tipo será elaborado um plano de tratamento”, elucida.

 

Atualmente, os tratamentos mais frequentes são os peelings, podendo variar entre superficiais ou que atingem camadas mais profundas da pele; cremes despigmentantes, sendo os mais comuns à base de ácido glicólico, retinóico, azeláico e vitamina C; microagulhamentos, associados a produtos despigmentantes; e lasers específicos. Em todos os casos a orientação em comum é a fotoproteção. “O ponto de partida em todos os tratamentos contra o melasma é a proteção contra os raios solares, infravermelhos e luz visível. Quem possui o melasma e está em tratamento deverá aplicar um filtro solar específico para o problema. O produto deverá ser receitado pelo dermatologista, que irá detectar qual tipo de filtro e cosmético (spray, creme ou gel) será mais indicado”, orienta Noviello.

Leia mais:

Doenças periodontais

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

Gravatas Masculinas

Próximo

Alimentação saudável reduz riscos cardíacos