DestaquesDestrinchando

Ideias originais são cada vez mais um artigo de luxo

Ideias originais são cada vez mais um artigo de luxo

 

Destrinchando

Por Lucas Machado

Os gregos foram espertos: Colocaram nos livros tudo o que pensavam, e deixaram muito pouco para os pósteros. Felizmente ou (Infelizmente) o registro de sua procedência esta em obras muito lembradas mais pouco lidas. Depois deles vieram os latinos, que não se envergonhavam de traduzir, pura e simplesmente, o saber mais antigo.

Porém nem sempre frases, artigos e textos repetidos são roubados. Pelo menos de acordo com a teoria de Mach (Que tampouco inovava), o mundo é composto de sensações, e sensações idênticas podem traduzir reações idênticas. Acho que pertenço a geração que pensa, fala, escreve – e lê. Quis Scribibt bis legit ( uma frase para você nunca esquecer quem escreve lê duas vezes).

As frases se desatam, voltando a ser palavras soltas, quase dispersas. Se prestarmos atenção no que se fala e no que se escreve hoje, percebemos o desaparecimento das partículas de ligação. Andam sumidas as preposições e as conjunções nos meus próprios textos, enquanto os adjetivos engordam a presunção de seus dignos usuários, e assumem ares substantivos.

Os tempos de verbo se resumem ao passado e ao presente, e o modo é um só, o inevitável indicativo. Dizem que falo e escrevo bem, o primeiro até concordo o segundo você pode avaliar a partir deste texto, por exemplo, havia algum tempo que não escrevia todos os dias, as vezes temos que dar um tempo para tudo, inclusive para o que mais gostamos. Mas agora voltamos e é com tudo. E já que apelamos para o latim vamos a mais uma citação cabível ao momento: Vir Bonus dicendi peritur. O homem bom sabe falar bem.

Quem conhece a palavra não a teme. Quem possui inteligência não se assusta com a inteligência alheia – a ela se associa. Por isso juntar e juntar-se a pessoas de talento, com aquela certa de que a vida é uma aventura comum é criar o mais excitante de tudo.

Criar contudo não é um ato de prestidigitação (Nú saiu essa palavra e não é que ela existe, rs). Uma frase não sai da cabeça como o coelho da cartola do ilusionista. Criar é ir no âmago da memória, abrir as galerias do coração, apalpar, associar, garimpar, voar e voar. E num desses mergulhos encontramos o êxtase do nosso máximo num verso perfeito onde nada parece ser igual mas tudo mais do que original.

Leia mais:

A arte de fazer a leitura nas entrelinhas

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

Autenticidade: Saiba como acreditar em quem você é aprenda a usar suas habilidades

Próximo

Skate na comunidade: Skateboard e a sua essência