DestaquesDestrinchando

Hong Kong

Hong Kong

Na China eles consideram como duas, Land ou Main e Islands. Entre várias tive a oportunidade de visitar Macau e Hong Kong.

Logo ao pousar no aeroporto de Hong Kong, pude ver a diferença. Como ex-colônia britânica, no pequeno território todos são bilíngues ou até trilíngues, falam mandarim, inglês e cantonês, fora outros vários dialetos.

Os ônibus de dois andares são uma herança marcante da ex-colônia e também as placas estão ainda em inglês e chinês.  A arquitetura (para ver só olhando para cima porque os prédios são altíssimos) mostra uma cidade mega moderna, super descolada e ocidentalizada.

Hong Kong

Entre os vários passeio imperdíveis em HKG (sigla do aeroporto da cidade), o Mirante “The Peak” ou Victoria Peak, uma vista simplesmente alucinante, com um funicular que se pega na parte baixa da cidade e demora uns 20 minutos. Chegando, o desembarque é dentro de um shopping que tem de tudo, restaurantes ocidentais, orientais, lojas de tudo que é bugiganga. São duas vistas, em uma delas temos que pagar um extra para chegar, masvale muito a penaporque a vista é TOP!

A Hong Kong Disneyland é um dos pontos mais famosos também.

Front_Entrance_of_Disneyland

 No dia seguinte, o Buda gigante! Um passeio meio Corcovado, porém em níveis chineses!  O teleférico é um dos maiores do mundo, são quase 30 minutos para chegar a base onde, em cima da montanha, um “gigante” abençoa a baía de Hong Kong. O passeio é barato e fui de metrô, que é muito limpo, econômico e rápido.

IMG_0048

subida-buda-gigante

A moda é um assunto que não tem como não falar, as maiores e melhores grifes estão aqui. Os chineses são apaixonados por marcas, é status e sinal de riqueza se vestir com grifes famosas do ocidente. Em uma só avenida pode-se encontrar uma ao lado da outra, Channel, Louis Vuitton, Prada, Tiffany Company, Armani, entre outras. O motivo são os impostos que, por ser porto livre, não se paga! Enquanto as grandes marcas saem da Argentina, todas querem estar no olho do furacão China.

277950-970x600-1 DSC05755

Para atravessar a baía, pode-se tomar um barco-bus que custa um dólar, muito rápido e prático. A cidade tem quase nove mil restaurantes. É sensacional a diversidade gastronômica desse lugar!

A mudança e a mistura cultural na China é uma das coisas mais impressionantes. Shangai é a nova NY, e Paris é a Nova Buenos Aires, segundo os chineses, e aqui dizem que se NY é a cidade que nunca dorme, Hong Kong tem insônia.

Todos os dias na baía tem o show para turistas com luz e sons, um espetáculo gratuito e lindo! Sempre a noite e aberto para todos.

md-capitalismo-grande-invencao-humanidade-web

Dicas de viagem:

– Voar para a Hong Kong: tem que ser via Europa ou Oriente Médio.

– Documentos: passaporte válido por 6 meses, visto não é necessário.

– Seguro: nunca vá sem um seguro de viagens.

– Moeda: Rupia. Cartões de crédito e traveller checks são pouco aceitos, a não ser em lojas de tapetes ou lojas maiores.

– Roupas: mesmo no inverno faz calor. Leve roupas mais leves e confortáveis.

– Gorjetas: são quase que uma instituição. É uma cultura sempre dar uma gorjeta e um “agrado” às pessoas ao seu redor.

– Comida: mesmo deliciosa, é muito diversificada. Predomina a chinesa com muita sopa e carnes de porco e peixes.

– Cultura: o povo chinês é muito agradável, não são muito de papo. Tímidos, porém extremamente gentis com ocidentais.

– Segurança: é um país seguro, mas tenha cuidado com vendedores que sempre querem vender as mercadorias ching lings que podem ser de péssima qualidade e enganosas, principalmente eletrônicos.

– Voltagem 220 v

– Clima: evite maio a setembro que são os meses mais quentes e o período das monções.

 

 

Destrinchando

Destrinchando

Anterior

Patrimônio cultural

Próximo

Low Rider