DestaquesFernando Suhet

Felicidade

Felicidade

99

Por Fernando Suhet

A felicidade mora bem perto

Aprendi que, por mais valor que você tenha dado a uma pessoa, na hora de ir embora alguns não vão se lembrar disso. Que amar é bom para quem sabe o valor de um coração.

Que cantar alto traz uma certa felicidade. Que ter amigos é saber que uma mão vai te segurar. Que reclamar não adianta muita coisa. Que sorrir é espantar os males.

Que alguém sempre vai sumir. Que abraçar cura a saudade. Que a gente sempre tem algo a aprender. Que lados bons existem. Só que nem sempre a gente sabe enxergar. E pra que ver? “O essencial é invisível aos olhos”.

Bem que disseram! Mas a gente busca, sem noção do que é o infinito, ver o que só se pode sentir. Sim, por mais valor que você tenha dado a uma pessoa, na hora de ir embora, alguns não vão se lembrar disso. E que bom que esquecem.

Pra gente aprender a seguir sem olhar pra trás. E sem chorar de arrependimento. Se foi feito com o coração, a razão vai saber entender e vai conseguir tirar uma lição. Porque lados bons existem, mas ruins também. E é aí que a gente cresce, que o amigo estende a mão e que a gente canta ainda mais alto.

Pra nunca esquecer que felicidade é a gente que faz e o outro só desfaz se a gente permitir. E eu só me permito ser feliz.

Nem sempre vão gostar de mim porque amadurecer é uma escolha. E o medo pode ser vencido. Meus passos, se não forem dados por mim, não vão me servir de muita coisa. E, assim, sigo vivendo intensamente todos os dias, senão não terei lindas histórias para contar e nem boas risadas para dar.

Aprendi que um beijo pode trazer alegrias com o encontro de dois lábios apaixonados, e tristezas se dão sem o coração. Que um simples bom dia pode colorir o dia de alguém.

Que a palavra verdade só tem um lado e nele devemos nos agarrar. Que sempre vou me lembrar dos conselhos da minha mãe. Que cada pessoa tem uma opinião, e você não será maior do que ninguém por isso. Que o amanhã é incerto, mas o fim é certo.

Que os sonhos me fazem abrir os olhos todos dias, mas é a realidade que não permite que eles se fechem. Porque voar é bom. Mas ter os pés no chão é preciso. Assim como ser feliz. Ainda que a tristeza exista. E as decepções também.

De toda forma, o muito que a gente aprende ensina a respirar sem sufocar, mas perdendo o fôlego de emoção. De verdade. De coisas boas. E de momentos felizes. É o que a gente leva e nada mais. Pra que perder tempo e vida com coisa pouca? Alegria é ir além apesar de tudo que é ruim e graças a tudo que é bom. E faz a gente se eternizar.

Ainda que com a certeza do fim. Porque o imortal vive dentro de cada um, como o essencial, que os olhos não conseguem enxergar.

Aprendi que a felicidade mora bem perto e, por mais que tentem me fazer desistir, eu não devo desistir nunca. Porque vida e coragem, apesar de terem sentidos diferentes, têm forças iguais.

Outros textos e Fernando Shuret:

Coisas boas da vida

Pessoas que escolhi

Destrinchando

Destrinchando

Surf Mulheres 2
Anterior

Surf Mulheres

Próximo

Dia Mundial da Criatividade