DestaquesRaissa Fortes

Espelho meu.

Espelho meu.

Narcissus-Caravaggio_(1594-96)_edited

Por Raissa Fortes

Objeto antigo e imprescindível nos tempos atuais, o espelho tem sua origem há cerca de 3.000 a.C. na Idade do Bronze, através do polimento de metais e pedras, o que gerava uma imagem bem distorcida. Somente no final do século XIII é que os espelhos com maior nitidez foram fabricados, mas eram raros e muito caros.

Com a Revolução Industrial, os espelhos se popularizaram em diversas camadas sociais. Diversos mitos e crenças se popularizaram em torno do espelho. No passado, quando começaram a surgir, muita gente acreditava que eles eram objetos sobrenaturais, capazes de capturar almas. A Madrasta da Branca de Neve tinha como mentor um Espelho e teve sua alma capturada pelo mesmo.

Há quem diga que pode-se ajudar na adivinhação ou que é possível ver espíritos ruins através, ou ainda, que é um portal para outra dimensão. Se quebrá-lo terá sete anos de azar. E quem nunca não pensou duas vezes antes de fechar o espelho com lençóis durante a chuva, depois que aquele parente disse que atrairia raios?

E como não citar a história de Narciso: Jovem que foi condenado pela Deusa Nêmesis a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco, depois de menosprezar todas as moças de Beócia. Depois de ficar encantado pela própria beleza refletida na lagoa, Narciso deitou-se e definhou até sua morte. Depois de sua morte, Afrodite o transformou numa flor – narciso.

Além de ser um utensílio para o exercício da vaidade, os espelhos auxiliam em importantes fundamentos da Física, integram o funcionamento de várias máquinas e exercem um papel de destaque na decoração.

Um espelho bem posicionado, além de dar a sensação de amplitude no ambiente é um objeto associado à sofisticação. Pode ser utilizado em paredes com diferentes recortes e molduras exóticas, no mobiliário como parte da marcenaria e halls de entrada. A única ressalva é não colocar espelhos em frente às janelas, para evitar ofuscamento, nem em parede externas, para evitar risco de umidade.

No Feng Shui o espelho é considerado uma das nove curas, redirecionando a circulação da energia; em um ambiente. Pertencem ao elemento água que é representado pelas cores azul e preto. Espelhos ovais ou circulares – formas associadas ao elemento metal – podem ser propícios para regiões da casa relacionadas com a criatividade e com os filhos. Espelho vertical, de corpo inteiro, emoldurado com madeira é propício para a parte relacionada com a saúde e família.

Espelhos, portanto, são objetos complexos, côncavos, convexos e cheios de mistério.

Beijuus e até!

Raissa Fortes

Raissa Fortes

Raissa Fortes é Designer de Ambientes, Desenhista, Advogada, observadora e curiosa, entusiasta do Design, das Artes e do comportamento humano.

Anterior

Skate faz a alegria das meninas no Afeganistão

Próximo

Cookies