DestaquesDestrinchando

Dietas açúcar zero

Dietas açúcar zero

Destrinchando

Por Blenda Girardi

Lá está ele, por toda parte! Disfarçado ou não, colorido, bem branquinho, e em quase todos os alimentos. Fico aqui pensando que deve ser um dos motivos de ser sempre tão difícil fazer uma reeducação alimentar.

Afinal, pra onde olhamos, praticamente em todos os estabelecimentos e supermercados, o açúcar é ingrediente abundante nas prateleiras. A cada momento, a indústria bombardeia com propagandas e potinhos maravilhosos um novo alimento… com açúcar!

Aprendi com minha nutricionista que o açúcar hoje em dia anda bem maquiado, ela diz, ‘respondendo por outros nomes’, inclusive em embalagens ditas lights e diets. E isso pode virar um perigo, não é mesmo? Afinal, para quem, assim como eu, não entende o que está nos rótulos dos produtos, pode acabar confuso.

É o que afirma a nutricionista funcional Junia Bethonico, membro da Sociedade Brasileira de Nutrição Funcional: “O mais importante é saber dos ingredientes, da maior quantidade para a menor. Se um produto tem açúcar, farinha e leite, significa que ele tem mais açúcar que leite.”

Este doce veneno pode ser um desafiador de primeira na luta pela saúde. O Doutor Patrick Rocha, médico, autor, pesquisador e presidente do Instituto Nacional de Estudos da Obesidade E Doenças Crônicas (INEODOC), explica porque o açúcar em excesso ingerido no nosso organismo pode acabar contribuindo com o ganho de peso extra: “O açúcar, uma vez ingerido, cai na circulação sanguínea na forma de glicose.

Essa glicose faz com o que pâncreas jogue insulina no sangue para colocar glicose dentro das células, pois esta glicose no sangue por muito tempo é tóxica, podendo destruir células e até órgãos. Uma vez a insulina alta no sangue, não há o processo de emagrecimento. Não há queima de gordura.

Pelo contrário, o fígado transformará essa glicose em triglicerídeos que podem também inflamar o corpo, além de engordar. Pouco tempo depois, cerca de 3 horas, o corpo já pede mais açúcar e o ciclo
vicioso recomeça.”

Deu para entender? Volta e meia, minha nutricionista me explica esse tal ciclo e eu entendendo a parte que, para queima de gordura, tem que diminuir a ingestão de docinhos e afins.

E o açúcar pode se apresentar com outros nomes. Aí é que está o maior dos problemas! Existe um perfil inglês, em um aplicativo de redes sociais, com mais de 70 mil seguidores, do qual vem revelando o açúcar e seus disfarces, ao mostrar alimentos comuns do nosso dia a dia, ao lado da quantidade correspondente de açúcar total que este leva em sua composição. É de cair o queixo.

Mas calma, existe uma saída! Com uma reeducação bacana feita por um profissional que te entenda, com força de vontade e muito foco, dá sim para diminuir bastante os índices de glicose no sangue e deixarmos o posto de ‘formiguinha’ de vez. A meu ver, quanto mais protelamos por uma alimentação saudável, mais difícil fica.

No momento em que tomamos a consciência da saúde muito além da estética, nos conscientizamos em querer mudar. Afinal, não podemos relaxar naquilo que colocamos para dentro do nosso organismo. Nosso corpo, nossa casa! Converse bastante com seu nutricionista, pergunte-o onde o açúcar pode estar camuflado, pois muitas vezes, nem percebemos.

Os rótulos querem nos atrair com suas cores e nomes e no fim podemos estar comprando um lobo em pele de cordeirinho. Tudo com equilíbrio e corretamente.

Leia mais:

Como desintoxicar o organismo

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

Especialistas alertam sobre atividade física regular

Próximo

Carnaval Homem