Blenda GirardiDestaques

Danças Urbanas

Danças Urbanas

Danças Urbanas 1

Foto: Letícia Lis

Destrinchando

Dessa vez, atenho-me a destacar uma modalidade que, antigamente, era predominantemente masculina e que hoje, meus caros, as mulheres estão marcando presença. E marcando bonito. São as ‘Danças Urbanas.’

Gabi Oliveira é professora deste verdadeiro estilo de vida; (e não é exagero, pois só nos EUA é um mercado que movimenta milhões por ano no tocante à músicos, mídias sociais, roupas e acessórios, videoclipes, etc).

Ela já trabalhou para o Projeto ‘Criança Esperança de Belo Horizonte, atuou no Musical “The Do Or Die Show”, com sede na Croácia, além de ter ministrado aulas no International Arts Kemp, projetos nos país de Kosovo, e muito mais.

É meus caros, a Dança Urbana vai muito além do que simplesmente movimentar-se na rua. Oliveira explica: “As Danças Urbanas são várias ‘danças’ que têm culturas específicas dentro dessas danças.” Poxa! Muito mais amplo, não é mesmo?! Ela continua: “Dentro dessas ‘danças’, há algumas dentre estas que são as chamadas de Danças Sociais, que é uma das que mais gosto em Danças Urbanas.”

Olha que bacana o que a professora comenta: “Para as Danças Sociais é necessário o outro, a outra pessoa.” Bem, só por aí, já de cara, conseguimos perceber que estes estilos
tornam-se alvo de interação, comunicação com a outra pessoa, expandindo a experiência para muito além de movimentar o corpo.

Ela prossegue: “O que eu mais acredito dentro das Danças Urbanas, é a dança do compartilhar.” Em tempos onde esta palavrinha aí, o tal ‘compartilhar’, anda tão em voga, nada mais pertinente do que isso, não é mesmo?

Enquanto a professora me explicava, eu entendia todo um universo que envolve as tais Danças Urbanas, que com certeza haverá aquele que mais se encaixa para você. Ela nos cita alguns exemplos: “Breakdance, Hip Hop Dance, DanceHall,” e muito, muito mais.

Tive contato com as aulas da Gabi e afirmo a vocês: Façam. Eu, até então, tinha a vivência de uma ‘Dança Urbana’ de cunho extremamente depreciativo da mulher, as então ‘batalhas de dança’ com competições que beiravam brigas pessoais e não. Isso não é ‘Danças Urbanas’. Garanto a vocês.

Finalizo nosso texto de hoje com o lema da Gabi: “Conforme falei anteriormente, priorizo as Danças Sociais por ser uma dança que se desenvolve no conjunto, e não no individual.

Deste princípio, meu lema em minhas aulas é alegria, união e superação. Estimulo meus alunos a se superarem a cada dia, sem precisar competir, a olharem nos olhos uns dos outros e sorrir, a se ajudarem mutuamente em sala, promovendo um ambiente que gere resultados incríveis no desenvolvimento e aprendizagem de cada um.” Ainda tem dúvidas de experimentar? Esqueça tudo o que você achava que sabia sobre Danças Urbanas e venha.

Leia mais:

Poder e dinheiro

Educação em todo lugar

Blenda Girardi

Blenda Girardi

Bailarina profissional há mais de 20 anos. Primeira bailarina clássica em sua companhia em Belo Horizonte/MG aos 19 anos e posteriormente, dedicou-se a todos os outros estilos de dança. (Jazz, contemporâneo, jazz funk, hip hop,
samba, musicais, etc). Formada também em Educação Física, estudante de teatro e canto atualmente.

Trabalha em programas de tv, como o ‘Domingão do Faustão’, da Rede Globo de Televisão, nos quadros que necessitam de bailarinos., fotografa como modelo para campanhas, etc.

Tem um solo show intitulado ‘Samba De Ponta’; que é um misto de samba com ballet nas sapatilhas de ponta, fazendo apresentações em eventos nacionais e internacionais. Destaque para o encerramento da Copa do Mundo de Judô, transmitido ao vivo pelo SPORTV, canais Globo.

Dior faz aniversário no Brasil 2
Anterior

Dior faz aniversário no Brasil

Contrabando no Brasil 2
Próximo

Contrabando no Brasil