DestaquesDestrinchando

Concursos jovens solistas orquestra sinfônica de Minas Gerais

Concursos jovens solistas orquestra sinfônica de Minas Gerais

VI concurso Jovens Solistas na modalidade Instrumento, Canto e Regência com as participações dos solistas Ariadna Fernandes, Ana Paula Machado, Deborah Burgarelli, Melina Peixoto, Robert Willian, Rafael Ruiz, Giovanni Nartis, Wellington Carlos e Eron Calabrezi. Revealçoes Isadora Moreira e Elias Magalhães. Apresntação da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e Coral Lírico de Minas Gerais sob a regência do maestro Roberto Tibiriçá.

Destrinchando

A Fundação Clóvis Salgado promove, nos dias 23 e 24 de julho (terça e quarta), edições especiais das séries Sinfônica ao Meio-Dia e Sinfônica em Concerto. Na ocasião, os vencedores do VII Concurso para Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais se apresentarão ao lado da OSMG, sob regência de Roberto Tibiriçá. Na terça-feira (23), o concerto acontece às 12h, com entrada gratuita. Já na quarta-feira (24), a apresentação é às 20h30, com ingressos a R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

Concerto de premiação do VII Concurso para Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. Nesta edição, foram sete selecionados nas categorias Instrumento e Canto e, pelo segundo ano consecutivo, um jovem regente. Nesta edição, os contemplados irão se apresentar ao lado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob regência de Roberto Tibiriçá, em edições especiais das séries Sinfônica ao Meio-Dia e Sinfônica em Concerto. No repertório, composições de diferentes períodos do repertório sinfônico-coral. Este evento tem correalização da APPA – Arte e Cultura.

 

Os vencedores da modalidade Instrumento são o saxofonista Paulo Eduardo Souza de Almeida (MG), que será o solista em “Concerto para Saxofone e Orquestra “Ibira Guira Recê”, de Edmundo Villani Cótes; o violoncelista Rafael Gaspar (MG), que vai interpretar “Concerto para violoncelo e Orquestra em ré menor”, de Edouard Lalo; e o flautista Alef Caetano (MG), interpretando Partita para flauta solo em lá menor, de Johann Sebastian Bach.

 

Na modalidade Canto, os vencedores são a soprano Annanda Samarine (RS), que irá interpretar “È strano… Sempre Libera”, ária da ópera La Traviata, de Giuseppe Verdi; a mezzosoprano Bárbara Brasil (MG), interpretando “Ombra mai fu”, da ópera Xerxes, de Georg Friedrich Händel; e Raíssa Amaral (SP), que vai interpretar a ária “Donde lieta usci” de La Bohème, de Giacomo Puccini.

 

Já o vencedor da modalidade Jovem Regente é o belo-horizontino Weberson Almeida, que irá conduzir a OSMG durante a execução de Abertura “Fantasia Romeu e Julieta”, de Tchaikovsky.

 

Na terça-feira (23), durante a série Sinfônica ao Meio-Dia, alguns dos vencedores interpretarão trechos das peças que integram o repertório do Concerto. Estarão no palco do Grande Teatro o saxofonista Paulo Eduardo Souza de Almeida, o flautista Alef Caetano, a soprano Annanda Samare e o regente Weberson Almeida. Já a versão integral da apresentação, com participação de todos os vencedores, será na quarta-feira (24), na série Sinfônica em Concerto.

 

Promovido pela FCS desde 2010, o concurso é uma iniciativa que busca ampliar as oportunidades no mercado de trabalho da música erudita para os que estão no início de carreira. Como prêmio maior, além de visibilidade, os cantores e músicos podem desfrutar do ambiente típico de um grande concerto, ao lado dos corpos artísticos da Fundação Clóvis Salgado, interpretando composições do repertório erudito mundial.

 

Para a presidente da FCS, Eliane Parreiras, a manutenção do concurso é uma importante iniciativa. “A realização do Concurso Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais permite que, a cada edição, novos talentos da música sinfônica sejam revelados. O Concurso já está consolidado no cenário musical e é por meio dele que os contemplados têm a rara chance de projetar a carreira em âmbito nacional”, destaca a presidente.

Segundo Roberto Tibiriçá, a oportunidade de participar de um concerto ao lado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais é de máxima importância para a carreira de um jovem cantor. Além disso, Tibiriçá destaca a relevância da disputa como um processo de troca de aprendizados. “O concurso valoriza não só o jovem, como também premia indiretamente os professores, que são os educadores responsáveis por esse sucesso”, afirma.

O maestro ressalta, ainda, a oportunidade única dada aos vencedores de se apresentarem ao lado de uma grande orquestra. “O início da trajetória desses artistas é limitado a apresentações de pequena escala, e um evento dessa magnitude proporciona um grande diferencial na carreira de cada um”.

A banca de avaliação para todas as modalidades teve Roberto Tibiriçá como presidente. Regente titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais de 2010 a 2013 e titular da cadeira de nº 5 da Academia Brasileira de Música, o maestro foi, também, vencedor do prêmio de Jovem Regente da Osesp – Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo nos anos de 1983 e 1984, onde passou a ser o Principal Regente-Convidado, atuando por quase 18 anos ao lado do Maestro Eleazar de Carvalho, criador do Concurso de Jovem Regente da Osesp. Em 2010, o maestro sugeriu o concurso em igual formato para a FCS.

Concurso Jovens Solistas – O VII Concurso para Jovens Solistas da OSMG busca prestigiar o talento do jovem estudante de música erudita brasileiro, além de oferecer a oportunidade para os selecionados se apresentarem ao lado de Corpos Artísticos profissionais, revelando seu talento para o público, crítica especializada e para o mercado de trabalho.

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais – Considerada uma das mais ativas do país, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais cumpre o papel de difusora da música erudita, diversificando sua atuação em óperas, balés, concertos e apresentações ao ar livre, na capital e no interior de Minas Gerais. Seu atual regente titular é Silvio Viegas. Criada em 1976, foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de Minas Gerais em 2013. Participa da política de difusão da música sinfônica promovida pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, a partir da realização dos projetos Concertos no Parque, Concertos Comentados, Sinfônica ao Meio-dia, Sinfônica em Concerto, além de integrar as temporadas de óperas realizadas pela FCS. Mantém permanente aprimoramento da sua performance executando repertório que abrange todos os períodos da música sinfônica, do barroco ao contemporâneo, além de grandes sucessos da música popular, com a série Sinfônica Pop.  Já estiveram à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais os regentes Wolfgang Groth, Sérgio Magnani, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Aylton Escobar, Emílio de César, David Machado, Afrânio Lacerda, Holger Kolodziej, Charles Roussin, Roberto Tibiriçá e Marcelo Ramos.

Leia mais:

Kombucha invade o mercado, incomoda o refrigerante e nem o frio para as vendas do produto probiótico natural refrescante

 

Lucas Machado

Lucas Machado

Escritor, profissional de Marketing e Comunicação.

Anterior

Cardápio Do Ar é assinado pelo chef Kiki Ferrari

Próximo

Mamá Castilho é uma das influenciadoras brasileiras mais requisitadas por marcas famosas