DestaquesDestrinchando

Concerto comemora Independência do Uruguai

Concerto comemora Independência do Uruguai

Concerto comemora Independência do Uruguai

Destrinchando

Concerto, com ritmos percussivos, comemora o 193º aniversário da Independência do Uruguai

 

Sob regência do maestro assistente Sérgio Gomes, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais apresenta o programa Noite Uruguaia, em uma edição especial da série Sinfônica em Concerto. A apresentação comemora o 193º Aniversário da Independência do Uruguai, trazendo músicas do repertório popular do país arranjadas especialmente para a OSMG. Além da musicalidade uruguaia, o concerto contará com a participação de convidados muito especiais: a cantora

Maia Castro e o bandoneonista Leonel Gasso, além dos bailarinos de tango Richard Camejo e Angeline Maldonado. O concerto configura, pela primeira vez, um evento sinfônico de grande magnitude que celebra a música uruguaia no Brasil.

Segundo o maestro, a escolha do repertório foi feita através de uma pesquisa discográfica que procurou destacar os principais gêneros musicais uruguaios: Tango, Candombe, Milonga e Murga. “O repertório selecionado valoriza os compositores e as obras de maior destaque dentro da história uruguaia. É a primeira vez que o público mineiro tem a oportunidade de ouvir uma mostra rica dessa cultura musical”, conta Gomes.

O responsável pelo estudo e pela colheita do material musical foi Gustavo Nápoli, primeiro oboísta da OSMG. O repertório apresentado é o resultado de um ano de contatos com as principais instituições sinfônicas do Uruguai, somado à elaboração de arranjos feitos por vários colaboradores.

A voz que acompanha a OSMG é de Maia Castro, cantora uruguaia que já prepara seu quinto disco solo formado por composições próprias de estilos tradicionais e ritmos folclóricos rio-platenses. Junto à sonoridade do bandoneón – instrumento musical de palhetas livres semelhante a um acordeão – tocado pelo músico convidado Leonel Gasso, a cantora interpreta canções autorais e de compositores como Alfredo Zitarrosa, Tabaré Cardozo e Carlos Gardel.

Segundo o maestro, mesmo com o costume da OSMG em acompanhar cantores populares em projetos como o Sinfônica Pop, a parte rítmica das canções uruguaias apresenta novos desafios e descobertas, principalmente para os percursionistas da Orquestra. “Para a ocasião, o governo uruguaio enviou um jogo de três tamboriles – tambores de madeira em formato de barril – para a execução dos Candombes. Cada instrumento, de tamanhos diferentes, executa um som específico e a combinação dos três resulta no ritmo que caracteriza esse gênero.

O mesmo acontece com o ritmo de Murga que resulta da combinação de tambor, pratos e bombo”, revela Sérgio Gomes. Sinfonia para bailar – O Tango, com surgimento datado no século XIX nos subúrbios de Buenos Aires, será interpretado não só na música, mas na dança dos bailarinos uruguaios Richard Camejo e Angeline Maldonado, alunos de graduação do Curso de Tango da Escola de Formação Artística do SODRE, em Montevidéu. Com coreografia de María Inés Camou, o casal também dança os ritmos do Camdombe, originado a partir da chegada dos escravos da África ao continente Sul americano; do Milonga, gênero musical cantado ao som do violão; e do Murga, manifestação presente no carnaval de diversas cidades espanholas, uruguaias, chilenas e argentinas.

Para o maestro, reger um concerto que envolve grandes interpretações musicais acompanhadas de bailarinos e músicos uruguaios é um privilégio. “Fico muito honrado de participar de um concerto histórico como este. No próprio Uruguai, existe muita repercussão em torno desse evento, demostrado pelo apoio do Ministério de Relações Exteriores do Uruguai aos artistas que participarão e no envio de instrumentos típicos”, conta Gomes. “Espero que o público mineiro desfrute prazerosamente dessa boa música”, comemora o maestro.

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais – Considerada uma das mais ativas do país, a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais cumpre o papel de difusora da música erudita, diversificando sua atuação em óperas, balés, concertos e apresentações ao ar livre, na capital e no interior de Minas Gerais. Seu atual
regente titular é Silvio Viegas. Criada em 1976, foi declarada Patrimônio Histórico e Cultural do Estado de Minas Gerais em 2013. Participa da política de difusão da música sinfônica promovida pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Fundação Clóvis Salgado, a partir da realização dos projetos Concertos no Parque, Concertos Comentados, Sinfônica ao Meio-dia e Sinfônica em Concerto, além de integrar as temporadas de óperas da FCS. Mantém permanente aprimoramento da sua performance executando repertório que abrange todos os períodos da música sinfônica, do grandes sucessos da música popular, com a série Sinfônica Pop.

Já estiveram à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais os regentes Wolfgang Groth, Sérgio Magnani, Carlos Alberto Pinto Fonseca, Aylton Escobar, Emílio de César, David Machado, Afrânio Lacerda, Holger Kolodziej, Charles Roussin, Roberto Tibiriçá e Marcelo Ramos.

Sérgio Gomes – Graduado pela UFMG em 1997, nasceu no estado do Rio de Janeiro e iniciou os estudos musicais com o pai, maestro Sebastião Gomes, e de trompa, aos 11 anos, na Escola de Música de Brasília, com o professor Raimundo Martins. Em 1977, passou a integrar como primeiro trompista a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, atuando também como solista.

Em 1981, foi convidado a participar da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais como primeiro trompista e solista. Esteve à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais na Série Sinfônica no Museu, Concertos Educativos, Concertos no Parque, Concerto na Cidade, Sinfônica ao Meio-Dia, Sinfônica em Concerto e Sinfônica Pop. Atualmente, Sergio é o primeiro trompista solista e regente-assistente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais.

Leonel Gasso (Bandoneonista) – Leonel Gasso nasceu em Florida, no Uruguai. Começou a tocar o bandoneón aos 8 anos de idade, na orquestra de seu pai. Aos 22 anos, termina seus estudos na Escola Municipal de Música de Montevideo. Entre 2008 e 2009 foi integrante da Orquestra de Tango Emilio Balcarce, de Buenos Aires, sendo o primeiro uruguaio a se graduar na prestigiosa instituição, especializada no ensino do Tango. Dividiu palco com grandes personalidades do Tango, como Suárez Paz, Pablo Agri, Federico Pereiro, Andrés Linetzky, além de fazer parte do quarteto que acompanha a prestigiosa bailarina argentina Mora Godoy, em suas turnês internacionais. Em 2012 foi o bandoneonista convidado pela família de Rúben Juárez para tocar
nas homenagens realizadas em Montevideo e em Buenos Aires, um ano após a morte do gênio argentino.

Realizou concertos como solista, integrando orquestras de Tango em festivais e teatros de Cuba, Coréia, França, Rússia, Áustria, Brasil, Alemanha, Inglaterra, Escócia, China, Japão, Itália, Noruega, E.U.A. Em 2015 gravou seu primeiro disco solo intitulado “De Puerto A Puerto” e em 2016 o segundo disco intitulado “Fantasma Fiel”. Apresentou seu disco
realizando uma turnê pelo Uruguai, com seu quarteto, no prestigiado Teatro Solís e no Festival Jazz Tour de Montevideo. Em 2017 foi convidado pela companhia de Miguel Zotto para realizar uma temporada no teatro “Lola Membrives”. Nos festejos dos 100 anos de La Cumparsita (2017), foi o primeiro bandoneón da Orquestra Filarmônica de Montevideo. Atualmente, se prepara para uma nova turnê internacional apresentando seu disco. Maia Castro (cantora) – Nasceu em Montevideo em 1980.

Faz parte do movimento musical uruguaio desde seus 15 anos de idade, participando de várias bandas de rock e se incorporando ao carnaval de Montevidéu. Em 2006 começou sua carreira solo interpretando tangos, milongas e folclores rioplatenses. Em 2007 gravou seu primeiro CD que foi indicado ao Prêmio

Graffiti da Música Uruguaia, como Melhor Disco de Tango. A partir de 2007 inicia apresentações internacionais na França, Inglaterra (BAFTA de Londres),

Festival de Tango da Finlândia, Festival de Tango de Lodz Polônia, Festival Internacional de Guitarra de Uppsala Suécia, Festival de Jazz de Copenhague, salas importantes do World Music europeu como Stallet Estocolmo e Nefertiti Gotemburgo. Foi convidada em 2011 e 2016 pela Orquestra Filarmônica de Montevideo para participar dos espetáculos Três Mulheres para o Tango e 100 anos da Cumparsita. Em março de 2016, participou do grande espetáculo Zitarrosa 80, anos assistido por 30.000 pessoas no estádio Centenário de Montevideo e onde dividiu palco com Joan Manuel Serrat e Jorge Drexler, entre outros.

Atualmente, está se preparando para gravar seu quinto disco solo com composições próprias de estilos como tango, milonga e outros ritmos folclóricos rioplatenses, além dos clássicos da música uruguaia difundidos por artistas como Alfredo Zitarrosa, Carlos Gardel, Amalia de la Vega e Alberto Mastra.

Richard Camejo e Angeline Maldonado (bailarinos) – Richard Camejo e Angeline Maldonado são alunos de graduação do Curso de Tango das Escolas de Formação Artística do Sodre (Serviço Oficial de Difusão Rádio Elétrica-Montevidéu – Uruguai). Em 2018, foram selecionados para integrar o Espetáculo “Suite Gardel”, uma homenagem a ”La Cumparsita”, que aconteceu em Montevidéu, na Escola de Formação Artística do SODRE, com Direção Geral do Diretor e Coreógrafo uruguaio, Magistrado Martín Inthamoussu, juntamente com o Conjunto de Música de Câmara do Sodre.

Em junho do presente ano, foram convidados a se apresentar com o mesmo espetáculo em Helsinki e em Estocolmo. A coreografia é de Mª Inés Camou, coordenadora Acadêmica do Curso de Tango nas Escolas de Formação Artística do SODRE sob a direção geral do Magistrado Martín Inthamoussu.

María Inés Camou (coreógrafa) – María Inés Camou, nasceu em Montevidéu. Começa sua educação no ballet, sob a tutela dos primeiros bailarinos do Ballet do SODRE Montevidéu, Tito Barbón e Margaret Graham; em Buenos Aires, com Mabel Silvera e em Nova York no ”Joffrey Ballet School“, onde foi bolsista pela O.E.A. Entra para o Ballet do SODRE em 1973 e continua sua carreira no exterior, no Ballet Internacional de Caracas, dirigido por Vicente Nebrada, no National Theater de Münich – Alemania, Ballet Classique de Paris, no Ballet de Santiago (Chile) sob a direção de Ivan Nagy.

Ao voltar para o Uruguai em 1987, retorna para o Ballet do SODRE. Em 1993 estreia na Ópera Maria de Buenos Aires, com a Fundação Uruguaia Pró-Ópera sob batuta do Maestro Gerardo Moreira e com os maestros de Tango Argentino Gloria e Rodolfo Dinzel. Começa então o estudo sistemático da dança do tango em uma constante busca de sua própria identidade e cria coreografias para
vários espetáculos de tango.

SINFÔNICA EM CONCERTO – ESPECIAL NOITE URUGUAIA

Local: Grande Teatro Palácio das Artes

Data: 18 de agosto (sábado)

Horário: 20h

Ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia)

Informações para o público: (31) 3236-7400

Leia mais:

El Bogotazo

Base Jump

Destrinchando

Destrinchando

Benefícios da Couve 2
Anterior

Benefícios da Couve

Guarda roupa homem moderno
Próximo

Guarda roupa homem moderno