DestaquesRaissa Fortes

Beth Cavener Stichter

Beth Cavener Stichter

Beth Cavener Stichter 3

Destrinchando

Tanto para os amantes da arte quanto para os que não estão muito antenados, o trabalho da artista plástica Beth Cavener Stichter é tão intrigante, que é impossível ficar indiferente diante de seus animais em poses inesperadas.

Residente no estado de Montana nos EUA, Cavener utiliza a forma animal e às vezes humana, para esculpir sua arte. O processo de modelagem é complexo, mas basicamente o material utilizado é gesso, argila, resina e estruturas metálicas como base de apoio.

A artista aborda assuntos controversos e potencialmente embaraçosos, pois concentra o conceito de suas esculturas na psicologia humana, desprovida de contexto e racionalização e as articula através de formas animais.

A primeira vista são apenas animais, mas com um olhar apurado pode-se observar neles comportamentos e características humanas, como por exemplo barrigas, olhares, poses e até beijos calientes.

Cavener se considera grande observadora do comportamento humano e animal, e desde pequena aprendeu a ler significado nos sinais mais sutis. Este uso do antropomorfismo velado começou em 2002. Na superfície essas figuras são simplesmente animais selvagens suspensos em um momento de tensão.

Sob a superfície, eles encarnam as consequências do medo humano, apatia, agressão e mal-entendidos. Uso a linguagem corporal dos animais no meu trabalho como uma metáfora para esses padrões subjacentes, transformando os animais em retratos psicológicos onde o sujeito que observa possa se identificar.

As esculturas causam impacto, seja por constrangimento, revolta ou asco e nos convidam a refletir pelo comportamento humano, pelo comportamento animal e pela arte em si enquanto expressão.

O fato é que a arte de Beth é desafiadora, segundo palavras da própria há instintos animais primitivos rondando no fundo de cada um de nós, esperando pela chance momentânea de deslizar pela consciência. Além da superfície, as esculturas incorporam os impactos de agressão, desejos territoriais, isolação e mentalidade de bando (matilha).

Fotos:

Beth Cavener Stichter

Beth Cavener Stichter 1

 

Beth Cavener Stichter 3

Beth Cavener Stichter 4

Beth Cavener Stichter 5

Beth Cavener Stichter 6

Beth Cavener Stichter 7

Beth Cavener Stichter 12

Beth Cavener Stichter 14

Gostou da matéria? Então me segue lá nas redes sociais. Se você tem dúvidas e sugestões, mande seu e-mail.

[email protected]

@raissafortesdesign

Beijuss e até!

Leia mais:

Ajude o João Pedro

Mulheres ocupam cada vez mais espaço no skate

Raissa Fortes

Raissa Fortes

Raissa Fortes é Designer de Ambientes, Desenhista, Advogada, observadora e curiosa, entusiasta do Design, das Artes e do comportamento humano.

Seja marginal, seja herói
Anterior

Seja marginal, seja herói

De corpo e alma
Próximo

De corpo e alma